Japão sonha com 14 ouros nos Jogos do Rio

O Japão sonha em ganhar uma quantidade recorde de medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio (de 5 a 21 de agosto), ao menos 14, segundo a chefe da delegação japonesa no Brasil, que vê o evento como um trampolim para os Jogos de Tóquio-2020.

“Ganhamos 38 medalhas em Londres, mas apenas sete de ouro. Queremos melhorar este balanço e superar as 14 douradas”, declarou nesta quarta-feira Seiko Hashimoto em uma entrevista à AFP.

O objetivo final é “ficar em terceiro lugar no quadro de medalhas geral de 2020, e o processo começa no Rio”, insiste a responsável.

Entre as primeiras esperanças para levar o ouro, o Japão conta com seu nadador Kosuke Hagino, que pretende defender a honra do campeão olímpico Kosuke Kitajima, que fracassou nas classificatórias. Para isso, Hagino deverá derrotar o americano Michael Phelps, o astro das 18 medalhas de ouro olímpicas.

Na luta, os olhares estarão voltados para Saori Yoshida (-53 kg), tricampeã olímpica e com 13 títulos mundiais. Ela foi designada a líder feminina da seleção do Japão nestes Jogos.

“Não nos faltam líderes para estes Jogos”, afirma Hashimoto, ex-patinadora de velocidade e ciclista de pista.

O Japão espera repetir o resultado dos Jogos de Atenas de 2004, quando os japoneses igualaram o recorde de Tóquio-1964 com 16 medalhas de ouro.

“Bons resultados dos nadadores (Hagino e Ryosuke Irie) podem dar um salto de qualidade à equipe do Japão”, comentou Seiko Hashimoto, que tem especiais esperanças na jovem ginasta Kenzo Shirai, que fará sua estreia no Rio.