Por ser uma data móvel, o Carnaval brasileiro pode acontecer em fevereiro ou em março – tudo depende da data estabelecida pela Igreja Católica como a comemoração da Páscoa, e a consequente definição da data da Quarta-Feira de Cinzas.

 

A terça-feira de Carnaval, ponto alto da festa, acontece no dia anterior e, a partir disso, todas as festividades são organizadas de acordo pelo Brasil afora.

 

Confira a seguir outros fatos interessantes sobre o Carnaval do Brasil, uma festa que leva milhões às ruas todos os anos.

 

O Rei Momo está emagrecendo

Com o início do Carnaval, é comum em muitos locais que as chaves da cidade sejam entregues pelo prefeito ao Rei Momo, figura alegórica que passará a “governar” a localidade durante as festividades, ao lado de sua Rainha do Carnaval e de duas princesas.

 

Essa tradição vem da Roma Antiga, quando um belo soldado (posteriormente, o homem mais obeso da cidade) era escolhido para representar a deusa Momo e ser o anfitrião das festas durante o Carnaval.

 

Só que o antigo Rei Momo, ainda um tanto quanto acima do peso para simbolizar a fartura exigida pela data – era preciso ter, pelo menos 120 quilos para se candidatar ao cargo – vem sendo gradualmente substituído por modelos mais esbeltos por conta de campanhas contra a obesidade.

 

Rio de Janeiro está no Livro dos Recordes

Desde 2004, o Carnaval do Rio de Janeiro passou a fazer parte do Livro dos Recordes, o Guinness Book, como o maior carnaval de rua do mundo. Durante os dias de festividade, são 2 milhões de pessoas por dia nas ruas cariocas.

 

Somente em 2014, os 5 milhões de foliões que passaram o carnaval no Rio injetaram R$ 2 bilhões de reais na economia local.

 

O carnaval de Recife também está no Guinness Book

Apesar do carnaval do Rio de Janeiro ser o mais famoso internacionalmente, o título de maior bloco de carnaval do mundo está nas mãos do pernambucano Galo da Madrugada.

 

Neste ano de 2016, foram mais de 2,5 milhões de foliões dançando o frevo e participando esse bloco do Recife, que traz carros alegóricos, freviocas, e mais de 20 trios elétricos.

 

O trio elétrico era algo bem diferente

Em 1950, os músicos Dodô e Osmar adaptaram um calhambeque aberto e saíram pelas ruas tocando enquanto o veículo era dirigido por um motorista.

 

Surgiu daí o termo trio elétrico, que hoje é um caminhão que tem a mesma função de levar os músicos pelas ruas da cidade durante o Carnaval.

 

O primeiro calhambeque, conhecido como Fobica, pode ser visitado na Casa da Música, em Salvador.