O Carnaval do Rio de Janeiro é a festa mais famosa do Brasil internacionalmente. Então é de se esperar que vestir uma daquelas fantasias e estar na Marquês de Sapucaí seja um momento de realização bastante esperado por quem participa do desfile de uma escola de samba. Imagine então se você foi escolhida para assumir um dos “cargos” mais altos da festa, o de rainha da bateria, a musa dos ritmistas escolhida por sua simpatia, beleza e samba no pé.

 

Assim, é de se esperar que a emoção tenha tomado conta de Evelyn Bastos ao ter sido escolhida como rainha da bateria de uma das mais tradicionais escolas de samba do Brasil: a Estação Primeira da Mangueira.

 

Ela foi nascida e criada na comunidade do Morro da Mangueira, e, desde cedo, demonstrava que o samba e a escola eram a sua vida. Foi rainha da bateria da Mangueira do Amanhã, mostrando ao que veio antes mesmo de concluir os estudos básicos. Agora aos 22 anos de idade, ela comandará a bateria da verde e rosa pela terceira vez, carreira que ela concilia com a faculdade de Educação Física, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

 

Samba e reinado é tradição de família

 

E a tradição de dançar samba com perfeição é de família. A mãe dela, Valéria Bastos, foi também rainha da bateria da Mangueira entre os anos de 1987 e 1989. E a sua irmã Emelyn, de apenas 10 anos, venceu um concurso realizado pela escola de samba em dezembro, e estará à frente dos ritmistas mirins da verde e rosa no Carnaval 2016.

 

Evelyn Bastos já acumula diversos títulos em sua carreira de passista. Foi a musa do “Caldeirão do Huck”, programa da TV Globo, em 2012; e Rainha do Carnaval, em 2013. E a esse sucesso ela atribui muita dedicação e trabalho. Quando a data do Carnaval começa a se aproximar, ela chega a dormir apenas três horas por dia. Mantém também uma dieta rigorosa, e por vezes estressante.

 

A Mangueira é uma das escolas de samba mais tradicionais do Rio de Janeiro. A Estação Primeira de Mangueira foi fundada por nomes que se tornaram mitos do samba carioca, como Cartola e Nelson Cavaquinho. Ainda assim, a escola não é campeã do grupo especial desde 2002, o que só aumenta a responsabilidade de Evelyn Bastos à frente da bateria.

 

O cargo de rainha da bateria tem como função incentivar o grupo de instrumentistas a dar o seu melhor na avenida, e a também agitar o público que assiste nas arquibancadas. E como a bateria da Mangueira não tirou nenhuma nota 10 no ano de 2015, agora é esperar para ver se o brilho de.