Melodias cheias de certa emotividade, e temas ligados a corações quebrados e mesas de bar, passando por tema leves e descontraídos, são o que há de mais comum nas canções da Bossa Nova.

 

E este é apenas alguns dos motivos pelos quais este é, provavelmente, o ritmo brasileiro mais respeitado internacionalmente – “Garota de Ipanema”, por exemplo, é uma canção famosa nos quatro cantos do mundo e já foi cantada inclusive por Frank Sinatra e Ella Fitzgerald.

 

Bossa Nova foi criada por João Gilberto

A Bossa Nova foi criada por João Gilberto, músico e cantor baiano conhecido por sua excentricidade e enorme talento. Após muitos anos de estudos e de dedicação, ele criou um estilo de cantar mais baixo que o usual, usando técnicas de respiração de ioga, sem vibrato, o qual deu origem ao estilo de “cantar baixinho” ou “canto-falado”; e uma batida constante porém sem ênfase na percussão: a mão direita tocava acordes, produzindo harmonia e ritmo ao mesmo tempo.

 

Essa batida ganhou o interesse do produtor e músico Roberto Menescal, e do compositor e também produtor Roberto Bôscoli, até chegar ao conhecimento de Tom Jobim. Este logo reconheceu o valor daquela novidade e mostrou a João Gilberto a música e a letra de “Chega de Saudade”, criada por ele e Vinícius de Moraes. Esta e outras canções foram gravadas por Elizete Cardoso no LP Canção do Amor Demais, e daí o ritmo ganhou fama e reconhecimento nacional.

 

Bossa nova era o ritmo dos jovens estudantes  

O termo “bossa nova” foi naturalmente usado como forma de marcar a ideia de algo inovador e preferido por jovens estudantes na década de 60. A batida do novo ritmo era amplamente divulgada durante samba sessions da época, uma alusão ao fato da bossa nova misturar elementos do samba com o jazz.

 

E a parceria entre Tom Jobim e Vinícius de Moraes deu origem a uma série de músicas icônicas, como “Eu sei que vou te amar”, “ Se todos fossem no mundo iguais a você”, “ Águas de Março”, “Desafinado” e “Samba de uma nota só”.

 

Na segunda metade da década de 60, a bossa nova passou a ser influenciada por questões políticas e ideológicas que clamavam pela exclusão das influências vindas do jazz americano. Faziam parte deste movimento nomes como Marcos Valle, Dori Caymmi, Edu Lobo, Francis Hime, Carlos Lyra e Nara Leão.

 

Apesar do movimento bossa nova não ter resistido ao fm da década de 60, sua qualidade musical viajou o mundo e nunca foi esquecida em território nacional.