O Parque Nacional do Pantanal Mato-Grossense está localizado na divisa entre os estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, e estende-se pela Bolívia e pelo Paraguai. Ocupando 135 dos 250 mil quilômetros quadrados da região pantaneira, trata-se da maior planície de inundação contínua do mundo, e é o lar de uma incrível diversidade de fauna e de flora.

 

E foi por estes e outros motivos que a região é considerada pela UNESCO como Patrimônio Natural Mundial e Reserva da Biosfera, enquanto um dos ecossistemas mais diversificados do planeta.

 

Área fica alagada por cinco meses

O Pantanal constitui-se de uma região basicamente plana, com poucos morros e muitas depressões. A altitude máxima nunca é maior que 200 metros acima do nível do mar.

 

Durante a época de chuvas, de outubro a fevereiro, é praticamente impossível circular por terra pela região, pois esta fica completamente encharcada. As águas do rio Paraguai e de seus afluentes transbordam tomando conta da paisagem, e permitindo a manutenção da biodiversidade na região.

 

Após esse período, o solo local, arenoso e argiloso, e por isso pouco apropriado para a agricultura, torna-se excelente para o pasto de gado nas áres que permanecem secas nos outros meses do ano – atividade permitida apenas fora dos limites do Parque Nacional.

 

Fauna e Flora do Pantanal Brasileiro

Estão catalogadas, até o momento, como habitantes do Pantanal, 652 espécies de aves, 122 de mamíferos, 263 de peixes, 480 de répteis, e 1132 espécies de borboletas.

 

Entre as espécies em risco de extinção encontradas na região estão a imponente onça pintada, a qual pode chegar a até 2 metros de comprimento e a pesar 160 quilos; o cervo-do-pantanal, um ótimo nadador de hábitos diurnos; a arara-azul grande, uma das últimas ainda avistada e a maior de sua espécie, com até 1,40m; e o tuiuiú ou jaburu, uma ave migratória símbolo do Pantanal, que chega a medir até 1 metro de altura.

 

E entre outros moradores famosos está a ariranha, a capivara, o lobo-guará, o tamanduá, o bicho-preguiça além de diversas espécies de cobras, como a jibóia e a sucuri. O Pantanal também é rico em peixes, principalmente piranhas, pacus, pintado, dourados, etc.

 

Quanto à flora, são encontradas na região, árvores, plantas e ervas tanto típicas da área, quanto vindas da Amazônia, do Cerrado, da Caatinga, do Chaco Boliviano e da Mata Atlântica. Entre as espécies de árvores mais comuns no Pantanal estão o ipê, a figueira e a palmeira.