"São Paulo está matando a própria cultura", diz curador alemão de arte urbana

A iniciativa do prefeito João Doria de apagar grafites em São Paulo causou indignação entre artistas e têm impulsionado protestos na cidade. Especialistas em arte urbana ouvidos pela DW Brasil consideram a medida uma forma de censura e criticam a ausência de embasamento técnico para a decisão.

"São Paulo está matando sua própria cultura", diz o curador alemão e especialista em arte urbana não-autorizada Robert Kaltenhäuser. "Talvez se lerá sobre isso nos livros de história no futuro, assim como hoje lemos sobre a tentativa dos fascistas de eliminar a arte moderna considerada 'degenerada'. Talvez os murais terão que ser restaurados por milhões daqui a 20 anos."

Já durante a campanha eleitoral, Doria anunciou que iria combater as pichações. Ao tomar posse, o tucano instituiu o programa Cidade Linda e mandou pintar de cinza muros que expunham grafites. O programa da prefeitura acabou com o maior mural de grafite a céu aberto da América Latina, na Avenida 23 de Maio.

Do dia para noite, obras de cerca de 200 grafiteiros na avenida foram cobertas de cinza. O projeto artístico, encomendado pelo ex-prefeito Fernando Haddad, custou 1 milhão de reais. Apenas oito obras foram preservadas. Segundo a prefeitura, foram apagadas pinturas que estariam danificadas devido à ação de pichadores e do tempo.

Para o diretor da Galeria Kronsbein, de Munique, Valeri Lalov, uma decisão como essa só poderia ter sido tomada após uma avaliação sobre as obras feita por especialistas. A análise deveria abordar aspectos como autor, significado e mensagem da arte, além de verificar se realmente os desenhos estavam danificados e poderiam ser apagados.

O colecionador alemão de arte urbana Rik Reinking, avalia a iniciativa da prefeitura de São Paulo como um claro sinal. "Infelizmente, um sinal na direção errada, pois se trata, primeiramente, de censura ao pensamento livre e à criatividade", destaca o especialista, que possui obras de artistas brasileiros de renome, como Os Gêmeos, Vitché e Herbert Baglione.

Grafite como arte

São Paulo é considerada a capital mundial do grafite. Dela saíram muitos artistas consagrados internacionalmente, como Os Gêmeos, Eduardo Kobra, Nunca (Francisco Rodrigues da Silva), Zezão, Vitché, Herbert Baglione e Tinho (Walter Nomura).

"Além de Nova York, não há nenhuma cidade no mundo que tenha atualmente tanto significado para a arte urbana global como São Paulo", afirma Kaltenhäuser, acrescentando que na cidade brasileira foram criadas novas formas de grafite que inclusive já entraram para a História da arte.

O grafite moderno surgiu no fim da década de 1960, nos Estados Unidos, e usava basicamente a escrita como forma de manifestação. Em meados da década de 1980, esse estilo tornou-se um fenômeno em Nova York, com a publicação de livros e filmes sobre o tema. Nesta época, foi consagrado um dos artistas mais conhecidos da cena, o americano Jean-Michel Basquiat.

A partir de meados de 1990, foram desenvolvidas novas técnicas artísticas, incluindo a redescoberta do mural – com pinturas de grande extensão e motivos variados. E, neste desenvolvimento, o Brasil e principalmente artistas de São Paulo, como Os Gêmeos, têm um papel fundamental.

De acordo com Kaltenhäuser, o desenvolvimento desta técnica no país está relacionado às dificuldades de acesso à tinta de spray, no final dos anos 1980. Para superar essa barreira, artistas urbanos brasileiros passaram a usar tinta látex para pintar grandes superfícies, inspiradas na cultura popular latino-americana.

Acesso ao público

No caminho inverso ao de São Paulo, outras metrópoles mundiais, como Londres, Nova York e Berlim, usam a arte de rua para promover o turismo – apesar de proibirem grafite em espaços não-autorizados.

Na capital alemã, por exemplo, a página da própria prefeitura na internet oferece dicas de passeios destacando obras de grafiteiros de renome presentes na cidade, incluindo um mural de Os Gêmeos. Neste ano, será inaugurado ainda na capital alemã um grande museu de arte urbana contemporânea, o Urban Nation.

Em 2013, Frankfurt promoveu uma grande exposição a céu aberto com artistas urbanos brasileiros. Nunca, Zezão, Tinho, Jana Joana, Vitché, Alexandre Orion, Herbert Baglione, entre outros, coloriram a cidade com suas obras. Há murais de brasileiros em outras cidades alemães, como Munique e Wupertal.

A diretora do Museu Urban Nation, Yasha Young, destaca que o principal diferencial deste tipo de manifestação artística é a sua aproximação e seu diálogo direto com o público.

"Nenhuma outra forma de arte é tão próxima das ruas, dos bairros e dos seus moradores. A arte urbana não segue objetivos comerciais, ela estimula a reflexão, além de inspirar, embelezar, irritar, movimentar, unir e ser vista por todos. Assim, por meio de posições artísticas, são transmitidas a um público amplo mensagens críticas da sociedade sobre acontecimentos mundiais atuais", afirma Young.

Inspirada em Miami

Sob críticas, a prefeitura de São Paulo alega que o projeto Cidade Linda visa valorizar a arte urbana na cidade e reservará espaços autorizados para essa prática. Doria anunciou que pretende criar um grafitódromo inspirado num projeto de Miami. Para o curador alemão Kaltenhäuser, a ideia é absurda.

"São Paulo foi a inspiração para o projeto de Miami, cidade que não tem tradição em arte urbana. Ele quer destruir algo nativo para copiar uma cópia do modelo da sua própria cidade. Seria como se a Alemanha resolvesse destruir todas as cervejarias daqui para importar o modelo dos Estados Unidos", argumentou Kaltenhäuser.

Apesar de condenar a decisão de apagar grafites, o especialista acredita que ela pode ser vista também com um novo desafio para a arte.

De outros Notícias