"La La Land" vence sete prêmios no Globo de Ouro

O musical La La Land: cantando estações foi o maior vencedor da 74ª edição do Globo de Ouro, realizada neste domingo (09/01) em Los Angeles. Com sete troféus em sete indicações, o filme se tornou o mais premiado da história do festival, superando os seis prêmios de Um estranho no ninho, em 1975.

La La Land levou os troféus de melhor comédia ou musical; melhor diretor (Damien Chazelle); melhor ator de comédia e musical (Ryan Gosling); melhor atriz de comédia e musical (Emma Stone); melhor roteiro (Chazelle); melhor canção (City of stars) e melhor trilha sonora original (Justin Hurwitz). O longa estreia no Brasil no próximo dia 19 de janeiro.

"Sonhemos com mais urgência, vivamos fervorosamente e amemos mais profundamente", disse o produtor Mark Platt ao receber a estatueta de melhor filme.

O filme conta a história de Mia (Emma Stone), uma jovem aspirante à atriz, e do músico de jazz Sebastian (Ryan Gosling), que se conhecem em Los Angeles enquanto tentam concretizar sonhos em meio a frustrações. "Este filme é para os sonhadores", disse Stone, que recebeu o seu primeiro Globo de Ouro.

O vencedor na categoria de melhor drama foi Moonlight, primeira longa-metragem de traços biográficos de Barry Jenkins. Casey Affleck venceu na categoria de melhor ator de drama por Manchester à beira-mar, e Isabelle Huppert na mesma categoria feminina pelo desempenho em Elle, longa que ainda conquistou o prêmio de melhor filme estrangeiro.

Os prêmios de melhor atriz e ator coadjuvantes foram para Viola Davis (Fences) e Aaron Taylor-Johnson (Animais noturnos). Na televisão, The Crown venceu a categoria de melhor série dramática, e Atlanta, a de melhor série de comédia.

Discurso contra Trump

O ponto alto da cerimônia de premiação foi o discurso da atriz Meryl Streep, que apesar de não ter citado o nome do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, fez duras críticas ao posicionamento anti-imigração do futuro governante e afirmou que Hollywood deve muito aos estrangeiros.

Ao receber o prêmio Cecil B. DeMille pela sua carreira, Streep mencionou as diferentes origens dos atores presentes na cerimônia. "Hollywood está cheia de forasteiros e estrangeiros e, se você mandar todos eles embora, não vamos ter nada para assistir a não ser futebol e artes marciais, o que não é bem arte", afirmou.

Ao citar o episódio em que Trump zombou de um jornalista com deficiência do The New York Times, quando ainda era pré-candidato às eleições americanas, Streep foi direta. "Quando esse instinto de humilhar é incorporado por alguém poderoso no espaço público, isso se reflete na vida de todos, porque dá, de certa forma, permissão a outras pessoas para fazerem o mesmo", alertou.

Streep também criticou a censura da imprensa e denunciou a "era do pós-factual", na qual notícias falsas se espalham pelas redes sociais.

Confira a lista completa dos ganhadores do Globo de Ouro em 2017:

Cinema

Melhor comédia ou musical: La La Land: cantando estações.

Melhor drama: Moonlight: sob a luz do luar.

Melhor ator de comédia ou musical: Ryan Gosling, por La La Land: cantando estações.

Melhor atriz de comédia ou musical: Emma Stone, por La La Land: cantando estações.

Melhor ator de drama: Casey Affleck, por Manchester à beira-mar.

Melhor atriz de drama: Isabelle Huppert, por Elle.

Melhor ator coadjuvante: Aaaron Taylor-Johnson, por Animais noturnos.

Melhor atriz coadjuvante: Viola Davis, por Fences.

Melhor diretor: Damien Chazelle, por La La Land: cantando estações.

Melhor roteiro: Damien Chazelle, por La La Land: cantando estações.

Melhor trilha sonora Original: Justin Hurwitz, por La La Land: cantando estações.

Melhor canção: City of Stars, de Justin Hurwitz (La La Land: cantando estações).

Melhor animação: Zootopia, de Byron Howard e Rich Moore.

Melhor filme estrangeiro: Elle (França), de Paul Verhoeven.

Televisão

Melhor drama: The crown.

Melhor série de comédia ou musical: Atlanta.

Melhor minissérie ou telefilme: The People v. O.J. Simpson: American Crime Story.

Melhor ator de série de drama: Billy Bob Thornton, por Goliath.

Melhor atriz de série de drama: Claire Foy, por The crown.

Melhor atriz de comédia ou musical: Tracee Ellis Ross, por black-ish.

Melhor ator de comédia ou musical: Donald Glover, por Atlanta.

Melhor atriz de minissérie ou telefilme: Sarah Paulson, por The People v. O.J. Simpson: American Crime Story.

Melhor ator de minissérie ou telefilme: Tom Hiddleston, por The night manager.

Melhor ator coadjuvante de série televisiva: Hugh Laurie, porThe night manager.

Melhor atriz coadjuvante de série televisiva: Olivia Colman, por The night manager.

KG/efe/lusa/ap

De outros Notícias