Sindicato recusa oferta da Lufthansa, mas dá trégua em greve

O sindicato alemão de pilotos Cockpit rejeitou nesta sexta-feira (25/11) uma proposta de aumento salarial apresentada pela companhia aérea Lufthansa, mas indicou que a greve que afeta a empresa desde quarta-feira não deve ser estendida para o domingo, em respeito aos passageiros.

Mais cedo, a Lufthansa informou ter melhorado a oferta de aumento nos salários dos pilotos, dos 2,5% anteriores para 4,4%, na tentativa de resolver a longa negociação trabalhista com o sindicato. Segundo o jornal alemão Bild, cada dia de greve custa cerca de 10 milhões de euros à empresa.

O acréscimo salarial seria feito em duas fases, informou a companhia, que ofereceu um aumento de 2,4% em 2016 e outro de 2% no ano seguinte, totalizando os 4,4% prometidos. Além disso, os pilotos receberiam um pagamento único equivalente a quase dois meses de salário.

Em troca, os pilotos teriam que concordar com algumas mudanças na política de aposentadoria da empresa, um acordo com o qual os comissários de bordo e o pessoal em terra já concordaram.

O Cockpit, porém, rejeitou a proposta da companhia, alegando que não há novidade nas ofertas. Jörg Handwerg, membro do conselho administrativo do sindicato, foi citado pela agência de notícias AFP dizendo que a companhia alemã tentou "vender vinho antigo com rótulo novo" com a proposta. Os pilotos representados pelo sindicato exigem um aumento de 3,7% ano, retroativo a 2012.

A paralisação – a 14ª na atual rodada de negociações entre Lufthansa e Cockpit, que começou em abril de 2014 – teve início nesta quarta-feira com previsão para durar 24 horas, mas já foi estendida três vezes, cancelando um total de 2.755 voos e afetando 345 mil passageiros.

Nesta sexta-feira, foram cancelados 830 voos partindo da Alemanha com destino a outros países da Europa, afetando mais de 100 mil viajantes. Para este sábado, a estimativa é que a greve leve ao cancelamento de 137 voos, dos quais 88 são para fora da Europa, o que afetará 30 mil passageiros.

Apesar de afirmar que a paralisação não será estendida para o próximo domingo, o Cockpit garantiu que novas ações devem ser tomadas pelo sindicato num futuro breve.

EK/afp/efe/lusa/rtr

De outros Notícias