Temer diz ao Brics que Brasil "começa a entrar nos trilhos"

O presidente Michel Temer expressou neste domingo (16/07) otimismo com a recuperação da economia brasileira e disse aos líderes de Rússia, Índia, China e África do Sul, reunidos na 8ª cúpula do Brics em Goa, na Índia, que o Brasil "começa a entrar nos trilhos".

Em discurso para os chefes de Estado e de governo do Brics, o presidente ressaltou que as previsões para a economia brasileira em 2017 melhoraram e que o Fundo Monetário Internacional (FMI) estima o fim da recessão e a volta do crescimento econômico no próximo ano.

Para o presidente, a superação da crise econômica brasileira está desenhada e passa pela aprovação da PEC 241, que impõe um limite aos gastos públicos. "Será a combinação da responsabilidade fiscal com a responsabilidade social. Promoveremos, sim, o ajuste das contas públicas. Estamos estabelecendo um teto de gastos, que será inscrito na própria Constituição", ressaltou.

"As minhas palavras são de otimismo quanto à recuperação da economia brasileira. O nosso governo está empenhado em promover reformas que devolvam o crescimento e o emprego", afirmou Temer durante os encontros prévios à declaração final da cúpula do Brics.

O chefe de Estado brasileiro destacou que o seu executivo quer "melhorar o ambiente de negócios" no país com medidas como a desburocratização de processos, a redução dos custos de operação e a segurança jurídica. Para atingir esses objetivos, Temer destacou a aprovação de 34 projetos iniciais em áreas de negócios como portos, autoestradas, energia, petróleo e gás.

"Já é possível verificar positiva reversão de expectativas, com decidida elevação nos níveis de confiança dos agentes econômicos", disse Temer ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e aos presidentes russo, Vladimir Putin, chinês, Xi Jinping, e sul-africano, Jacob Zuma.

A 8ª Cúpula do Brics – que conta em seu conjunto com cerca de 43% da população mundial, 30% do Produto Interno Bruto (PIB) do planeta e 17% do comércio global – acontece em Goa, no oeste da Índia, com a recuperação da economia de seus países-membros no centro da agenda.

CA/efe/lusa/abr

De outros Notícias