Promotores de 15 países trocarão informações sobre a Odebrecht

Brasília receberá a partir desta quinta-feira (15/02) representantes de ministérios públicos de 15 países, que vão se reunir para trocar informações sobre práticas de corrupção envolvendo a construtora Odebrecht.

Representantes de Antígua e Barbuda, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Portugal, Peru, República Dominicana e Venezuela participam do encontro organizado pela Procuradoria-Geral da República.

As reuniões, que, segundo a Procuradoria-Geral, são um caso inédito caso de cooperação regional, serão fechadas para a imprensa, uma vez que há investigações em curso em todos os ministérios públicos representados.

O Brasil e os demais 14 países investigam práticas ilegais promovidas pela Odebrecht, como financiamentos ilegais de campanhas eleitorais, pagamentos de propinas para obter contratos de obras públicas e operações financeiras ilegais de grande porte.

As investigações sobre as práticas ilegais da Odebrecht se expandiram para além das fronteiras brasileiras, atingindo grande parte da América Latina e chegando até a África e Portugal.

O dinheiro movimentado pela Odebrecht passou por bancos nos Estados Unidos e na Suíça, países que também iniciaram investigações sobre a construtora, que acabaria assinando acordos de leniência, através dos quais teve que aceitar sanções em valores superiores a 2 bilhões de dólares.

Escândalo internacional

A ampla dimensão internacional do escândalo se tornou conhecida no final de 2016, após a revelação do Departamento de Justiça americano de que Odebrecht admitiu ter pagado cerca de 788 milhões de dólares em propinas em 12 países da América Latina e África, incluindo o Brasil, em mais de cem projetos – na maioria dos casos, obras públicas – realizados entre 2001 e 2014.

Recentemente, as investigações sobre o escândalo resultaram em ordens de prisão para o ex-presidente do Peru Alejandro Toledo – que está foragido – e envolveu os presidentes do Panamá, Juan Carlos Varela, e da Colômbia, Juan Manuel Santos.

A Odebrecht opera em 28 países e tem cerca de 168 mil empregados. A empresa assumiu sua responsabilidade nesses fatos e se comprometeu a colaborar com a Justiça em todas as investigações, além de eliminar definitivamente as práticas de corrupção.

RC/efe

De outros Notícias