Velloso recusa convite para assumir Ministério da Justiça

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Mário Velloso recusou nesta sexta-feira (17/02) o convite do presidente Michel Temer para assumir o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública.

Nome preferido de Temer, Velloso informou que não aceitou a proposta devido a contratos com cláusula de exclusividade com clientes do escritório de advocacia que mantém em Brasília desde 2006.

Velloso tinha informado o presidente nesta quinta-feira que estava "tentando afastar questões pertinentes a contratos" que exigiam a participação direta dele antes de dar uma resposta definitiva.

Na nota, o advogado disse que vai continuar à disposição de Temer para colaborar de outras formas com o governo. "Continuarei à disposição do presidente Temer, amigo de cerca de 40 anos, para auxiliá-lo de outra forma", escreveu o ex-ministro, que tem 81 anos. "Cinquenta e um anos de serviço público e, dentre esses, 40 de magistratura, deixam-me seguro de que dei a minha cota de serviço à causa pública."

Temer afirmou que faria uma escolha pessoal e sem "conotações partidárias" para ocupar a chefia do ministério. Na lista de possíveis candidatos estavam o vice-procurador-geral da República, José Bonifácio de Andrada, e o deputado Rodrigo Pacheco, indicado pela bancada do PMDB na Câmara.

A vaga no comando do Ministério da Justiça foi aberta com a indicação do ministro Alexandre de Moraes para ocupar a vaga deixada por Teori Zavascki no STF, morto num acidente aéreo em janeiro.

Para assumir o cargo, Moraes ainda precisa passar por uma sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e ter o nome aprovado pela maioria do plenário da casa parlamentar.

KG/abr/ots

De outros Notícias