Porto Alegre recebe primeiro centro de estudos alemães da América Latina

O Brasil foi o país escolhido pelo Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) para receber o primeiro Centro de Estudos Europeus e Alemães (CDEA) da América Latina. Inaugurado nesta segunda-feira (10/04) em Porto Alegre, o centro reúne pesquisadores e oferecerá cursos de especialização com foco na Alemanha e na União Europeia.

O centro é também o primeiro da rede criada pelo DAAD em 1991 a ser aberto no Hemisfério Sul e passa a integrar um grupo de 20 iniciativas semelhantes, todas sediadas em universidades de renome, como Harvard e Cambridge, e concentradas em 11 países, incluindo Estados Unidos, Japão e França.

"Para a Alemanha, o Brasil é um país muito importante na cooperação científica, e havia um grande interesse de ambos os lados no projeto. A ideia é não somente integrar o Brasil a essa rede, mas também beneficiar outros países da América Latina", afirma Stephanie Knobloch, diretora do DAAD responsável pela coordenação da rede de centros de estudos europeus e alemães.

A diretora do escritório regional do DAAD no Brasil, Martina Schulze, destacou que a proposta conjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), escolhida entre oito candidaturas brasileiras, tem potencial para transformar o centro numa referência mundial.

O CDEA concentrará pesquisas nas áreas de globalização, desenvolvimento sustentável e diversidade cultural, com foco na Alemanha e na Europa, além de oferecer bolsas para alunos e professores que trabalham com esses temas. Atualmente, ele já conta com 58 pesquisadores. A iniciativa visa também ampliar e aprimorar os conhecimentos sobre a Alemanha no país.

A formação oferecida pelo centro possibilitará ainda que boas práticas aplicadas em países europeus possam ser transferidas para o Brasil. Assim, especialistas em Alemanha formados no CDEA poderão, por exemplo, prestar consultorias a governos sobre políticas públicas que deram bons resultados no país estudado.

Mestrado interdisciplinar

Recém-inaugurado, o CDEA iniciou as atividades com o curso de mestrado Direito Europeu e Alemão. Durante dois anos, os dez alunos selecionados vão se especializar na legislação europeia e internacional, além de compará-las com a brasileira.

"O mestrado formará juristas mais críticos em relação ao seu próprio Direito, mas também é um manancial de ideias para melhorar o Direito brasileiro e latino-americano. Esses mestres serão profissionais diferenciados, que estarão preparados para os grandes temas mundiais", afirmou a jurista Claudia Lima Marques, diretora do CDEA.

No segundo semestre deste ano, o CDEA vai oferecer um curso de especialização em estudos germânicos. Ao longo de três semestres, os alunos terão aulas em diversas disciplinas das ciências humanas e sociais, com foco na Alemanha. Segundo Marques, o CDEA que criar, nos próximos cinco anos, um mestrado interdisciplinar em estudos europeus e alemães.

Para o filósofo Draiton Gonzaga de Souza, vice-diretor do CDEA, a iniciativa, financiada pelo Ministério do Exterior alemão, reforçará ainda mais os laços entre Brasil e Alemanha, através da ampliação do conhecimento mútuo e da mobilidades que o centro proporcionará por meio de bolsas de intercâmbio.

Neste primeiro ano, o projeto, que conta com um orçamento de 2,5 milhões de euros ao longo de cinco anos, oferecerá mais de 25 bolsas de intercâmbio na Alemanha. De acordo com Marques, o número de bolsas deve aumentar nos próximos anos. Além de levar brasileiros para o exterior, o centro trará também pesquisadores alemães ao Brasil.

Os alunos dos cursos do CDEA também terão a oportunidade de aprimorar os conhecimentos da língua alemã, em cursos de idioma oferecidos pelo próprio centro e em algumas disciplinas que serão ministradas em alemão.

De outros Notícias