"Foto de smartphone é comunicação, não para guardar"

Até algumas décadas atrás, fotografar era uma atividade complexa e custosa, exigindo conhecimentos de foco, iluminação, composição, assim como investimentos respeitáveis com filmes e revelação. Contudo, em seguida ao advento das câmeras digitais, leves e práticas, com as quais fazer uma foto ou 10 mil "não custa nada", o lançamento do iPhone, em janeiro de 2007, marcou mais um passo definitivo na democratização da fotografia.

Nos dez anos desde então, a qualidade e funções das câmeras que acompanham os smartphones evoluiu de forma meteórica. As imagens produzidas com eles povoam não só as redes sociais, mas também sites de jornalismo e exposições de arte fotográfica. Hoje, qualquer um é um fotógrafo em potencial, a todo e qualquer momento.

Isso significa que a fotografia profissional está morta? E o que ainda se pode esperar do futuro das fotos de smartphone? A DW entrevistou o fotógrafo Ditmar Schädel, docente da Universidade Duisburg-Essen e desde 2010 presidente da Sociedade Alemã de Fotografia (DGPh), organização que reúne cerca de mil personalidades da cena fotográfica nacional e internacional.

DW: Dez anos atrás, os smartphones tomaram o mundo de assalto, e hoje nossa vida parece impensável sem eles. Qual é o efeito desses aparelhos sobre a fotografia?

Ditmar Schädel: O smartphone é, naturalmente, um instrumento multifuncional, com o qual se pode fazer muitas coisas, das quais a fotografia é apenas uma pequena parte. O que mudou com o smartphone, é que agora todo o mundo traz uma câmera consigo, o tempo todo. Antes, primeiro o instrumento tinha que estar disponível, depois era preciso levá-lo intencionalmente consigo e clicá-lo na situação dada. Hoje a maior parte do tempo as pessoas nem levam o smartphone no bolso, mas já o carregam na mão. Assim elas estão possibilitadas a fotografar a qualquer momento. Antes era necessário mais preparação, hoje se pode captar o momento casualmente.

Por que cada vez mais fotógrafos deixam a câmera em casa e recorrem aos smartphones? Em que situações eles apresentam vantagens em relação aos aparelhos fotográficos?

Alguns fotógrafos o utilizam como aparelho para esboços: primeiro fazem fotos com o smartphone, para então ver o que pode resultar daí. Como o celular está sempre à disposição, ele permite esboçar um objeto, uma situação, um espaço urbano. Antes já se fazia isso com pequenas câmeras compactas.

Quem trabalha no campo jornalístico, enfim, tem sempre o smartphone à mão, e com isso, claro, a vantagem de poder mandar a foto tirada muito mais rápido para a redação, "ao vivo", em princípio. Não é necessário nenhum passo intermediário, como com a câmera. A qualidade ainda não concorre com a das grandes câmeras, mas é perfeitamente aceitável para muitas finalidades, em especial para o jornalismo online.

Tendo uma boa câmera permanentemente à mão, no celular, em breve os leigos vão tomar o lugar dos fotógrafos profissionais?

Os leigos são, antes, como flaneurs, e decidem espontaneamente em determinada situação: "Agora vou fotografar isto." Os profissionais saem em campo com uma concepção prévia, uma meta. A motivação para fotografar algo continua sendo outra. Outro aspecto é o trabalho preparatório: com a experiência deles, os profissionais trabalham de forma conceitualmente diferente – e, na verdade, melhor.

Ainda assim, em muitos campos o prestígio do grupo profissional dos fotógrafos se perdeu. Algumas redações não estão mais dispostas a pagar o preço justo por fotos, uma vez que as obtêm quase de graça dos amadores.

O que podemos esperar do futuro da fotografia com smartphones?

O progresso tecnológico dos últimos dez anos foi vertiginoso, é quase impossível prever como será a fotografia com smartphones nos próximos dez anos. Quem dá valor a ter uma boa câmera em seu celular, vai dispor de aparelhos geniais, no futuro. Hoje em dia já há modelos centrados na câmera, com objetivas especiais e qualidade fotográfica altíssima.

No entanto, acho que a massa vai se contentar com os celulares com funções de câmera relativamente simples. Afinal, a geração smartphone não faz fotos para guardar. Elas são antes uma forma de comunicação, para descrever algo. Em vez de escrever ou dizer "Estou me sentindo bem" ou "Minha comida está gostosa", envia-se uma foto. Ela não é para ficar em algum lugar, ser admirada ou impressa, mas sim, antes, um impulso. A foto de smartphone é um meio rápido, não pensado para publicação, e provavelmente continuará sendo assim.

De outros Notícias