Torcidas expressam solidariedade após explosões em Dortmund

As explosões que atingiram o ônibus do Borussia Dortmund antes da partida contra o Mônaco pela Liga dos Campeões da Europa nesta terça-feira (11/04) desencadearam uma onda de solidariedade entre os torcedores de ambas as equipes.

A manifestação de apoio dos monegascos na arquibancada do estádio, que após o incidente gritavam em coro o nome da equipe adversária, comoveu os torcedores do Borussia.

A partida foi adiada para o dia seguinte, o que levou muitos torcedores da equipe local a oferecer hospedagem e abrigo aos visitantes. Um grande número de voluntários se disponibilizou para oferecer acomodações aos torcedores do Mônaco através da hashtag #bedforawayfans ("camas para torcedores de fora", em tradução livre) nas redes sociais.

Alguns postaram imagens de confraternização, que foram compartilhadas milhares de vezes na internet.

O Borussia Dortmund agradeceu através do Twitter a colaboração de seus torcedores:

A polícia local também agradeceu pelo Twitter o apoio recebido dos torcedores, que ofereceram aos policiais garrafas térmicas de café, leite e copos de plástico: "Moradores de Dortmund fornecem café para nossos homens. Lhes damos nosso MUITO OBRIGADO!"

Os torcedores do Mônaco receberam ainda uma oferta para serem acomodados gratuitamente num hotel na cidade de Lüdinghausen, nas proximidades de Dortmund.

Segundo o estabelecimento, cinco torcedores aceitaram a oferta e fizeram a viagem de trem de 30 minutos até o local. "Eles receberam uma dose de schnaps [aguardente] e foram dormir", disse a filha do dono do hotel.

A imprensa francesa reagiu ao incidente exaltando a atitude dos torcedores monegascos e alemães. O jornal esportivo L'Equipe teceu elogios à "solidariedade espontânea surgida entre os torcedores das duas equipes", em meio ao que chamou de "pesadelo do Borussia". O diário Ouest France afirmou que a violência do incidente "atingiu o futebol como um todo".

O jornal Aujourd'hui lembrou que os jogadores do Borussia Dortmund André Schürrle – que não estava no ônibus – e Matthias Ginter estavam no Stade de France, em Paris, no dia 13 de novembro de 2015, quando uma série de ataques terroristas ocorreu na cidade, inclusive nos arredores do estádio onde era disputada uma partida entre França e Alemanha.

RC/dpa/sid/ots

De outros Notícias